FIlósofos e antiquários

Eu me formei lendo trabalhos de autores  e ouvindo professores tratando todo trabalho sem valor como “mero antiquarianismo”.

Esta semana no nosso curso nós discutimos a formação da História Antiga como uma ciência, como um campo de saber/corpo de conhecimentos sobre um passado específico, e nesse processo discutimos o papel dos antiquários. Os antiquários eram aqueles sujeitos que, especialmente entre os séculos XV e XVIII, se dedicaram a coletar, estudar, analisar e publicar todo tipo de objeto ou informação sobre a antiquigade greco-romana. A religião romana, as instituições políticas de uma cidade grega, moedas de um determinado imperador, etc, tudo era objeto da paixão e fervor dos antiquários.  Meu argumento, na aula, foi que eles cumpriram um papel essencial no surgimento da História Antiga: mais especificamente, a idéia que eu defendi é que no caso da História Antiga a disciplina não foi o produto de um projeto político ou ideológico definido, mas sim um campo de conhecimento que nasceu de um conjunto de textos e artefatos.

Isso não quer dizer, é claro, que não existisse de um “projeto” ou “programa” por trás dos interesses destes autores: o que eu quero dizer é que, enquanto no caso da História Medieval e Moderna e da História Eclesiástica, não houve uma instituição promovendo ou definindo o que deveriam ser estes estudos (no caso destes, haviam os Estados Nacionais e a Igreja). Existiam associações, academias, sociedades (os dilettanti ingleses, por exemplo), mas estes não tinham o caráter articulado e programático dos outros. Os antiquários desenvolveram um conjunto de métodos para identificar a informação (ou o artefato) legítimo, princípios para analisar o passado através de fontes, e (uma coisa muito forte entre os antiquistas) o ideal de que deve-se recolher todas as fontes existentes (sim, existe um certo fetichismo entre os historiadores da antiguidade).

Na querela intelectual entre os “antigos” e os “modernos”, os antiquários foram decididamente antigos, no debate a respeito do Pirronismo, foram eles que forneceram a melhor resposta aos críticos da História Antiga.  O que os antiquários não conheciam fazer era responder às grandes questões políticas e filosóficas colocadas pelo seu próprio tempo – na verdade, eles não estavam preocupados com isso. Isso é algo que caberia aos filósofos do XVIII, como Montesquieu, que usaram o passado greco-romano para responder aos problemas contemporâneos – nunca, no entanto, com a mesma precisão e erudição dos antiquários. Os antiquários não inventaram a História Antiga, mas sem eles ela não teria existido.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s