Para além dos cidadãos atenienses? A Política na Grécia Antiga

Este post é o primeiro de uma série que eu espero reúna breves artigos sobre a História Antiga em geral, e sobre a antiguidade ocidental em particular. Como a História Antiga é uma disciplina altamente especializada, nada melhor do que pedir a especialistas para escreverem sobre aquilo que eles conhecem. Seguindo esse espírito, convidei o Fabio Morales, mestre em História pela Universidade de São Paulo e membro do LEIR-USP. O mais legal é que ele topou participar, e me enviou esse texto que eu demorei muito a publicar (desde já deixo meus calorosos agradecimentos ao Fábio). A dissertação de mestrado do Fábio foi sobre a vida política na cidade de Atenas entre os séculos V e IV a.C., especialmente a questão da participação política. Esse é o tema que ele discute aqui, basta querer ler mais.

Ah sim, uma coisa: se alguém quiser citar esse artigo, por favor cite o autor e não deixe de indicar a fonte (o Antiguidades Romanas). O trabalho científico só é científico quando construído em cima de confiança mútua e respeito às fontes!

Para além dos cidadãos atenienses ?A política na Grécia Antiga

Fábio Augusto Morales

A política na Grécia Antiga é certamente uma dos temas mais fascinantes e que tem atraído maior atenção dos estudiosos da antiguidade. Além disso, se em diversas cidades encontramos instituições semelhantes (assembléia, conselho, tribunais), uma cidade e um regime político concentram as atenções: a Atenas democrática dos séculos V e IV a. C., governada pelo conjunto de seus cidadãos que incluía todos aqueles nascidos em Atenas, homens, livres e adultos – ficando excluídas mulheres, escravos, metecos e crianças. A relativa redução da história da política grega à democracia ateniense não é aleatória: se deve tanto à abundancia de fontes atenienses e escassez de fontes de outras cidades, quanto à identidade construída pelos Estados Nacionais democráticos contemporâneos com o regime ateniense. Estes dois fatores contribuíram para formar o chamado “atenocentrismo”, pelo qual a cidade de Atenas no período clássico foi considerada o modelo, a “polis grega por excelência”. Ora, muitas críticas já foram feitas ao atenocentrismo, especialmente vindas dos estudos arqueológicos: a riqueza das fontes materiais encontrada em outras cidades tem contribuído para uma visão mais complexa do conjunto das cidades gregas. Entretanto, um elemento do atenocentrismo raramente foi questionado: o monopólio da política pelos cidadãos. Sabe-se que nas cidades gregas variavam os regimes políticos, da monarquia e tirania à oligarquia e democracia, e portanto os níveis de exclusão variavam: na democracia, mulheres, estrangeiros, escravos e crianças; na oligarquia, acrescentam-se os mais pobres; na monarquia e tirania, em nuances importantes, o conjunto da população. Mas e os outros, os não-cidadãos? Haveria uma política feita pelos não cidadãos? A resposta para estas questões depende do significado do termo “política”. O termo politike, a rigor, significado tudo aquilo que concerne à polis, à cidade no sentido político e espacial. Entretanto, os estudiosos dos séculos XIX e XX d. C. tenderam a restringir a política a duas esferas. Na linha weberiana (predominante), a política é o que o Estado e as instituições estatais fazem: assim, o estudo da política na Grécia se concentrou nas decisões das assembléias, conselhos e tribunais, nas guerras e alianças entre as cidades, nas leis e decretos. Na linha foucaultiana, a política é o conjunto das relações de poder de uma sociedade, seja no nível estatal, seja no nível cotidiano: a escravidão, o controle do espaço, as relações econômicas, a normatização de condutas e a produção de discursos hegemônicos fariam parte do estudo da política na Grécia Antiga. Se na linha weberiana os não-cidadãos estão completamente excluídos, na linha foucaultiana é possível a sua inclusão no uadro das relações de poder entre os grupos sociais. Mas se limitaria a política à ação estatal ou às relações de poder? Política é tudo o que se refere à polis. Neste sentido, participar de um culto cívico, de uma procissão da deusa políade é um ato político, assim como escrever um tratado sobre as poleis existentes e a polis ideal. Mas o que significado quando os sujeitos destes atos não são cidadãos? Se a participação feminina nos cultos cívicos é bem documentada, não é menos importante o fato de que o principal tratado de política da Antiguidade foi escrito por um estrangeiro residente em Atenas, o meteco Aristóteles. Neste sentido, pode-se afirmar que a política ultrapassa o conjunto dos cidadãos, na medida em que as ações que se voltam para a polis não são todas executadas por cidadãos, ainda que eles tenham desejado criar esta imagem. Isso significa esvaziar, pois, o sentido da política (tudo é política, portanto nada é política)? Talvez uma linha teórica da política, ainda negligenciada pelos historiadores da antiguidade, contribua para essa discussão: a filosofia política de Hannah Arendt. A filósofa alemã, em diversos textos, trabalhou com a idéia de que a política é a ação da liberdade. A formulação é complexa, e não há espaço suficiente para sua exposição aqui; no entanto, pode-se ao menos enunciar algumas possibilidades de pesquisa nesta linha. A ação da liberdade nas cidades gregas era “monopolizada” pelos cidadãos por meio das instituições da polis, únicas a tomarem as decisões legítimas; porém, nem as instituições nem suas decisões davam conta da totalidade das relações sociais da cidade, existindo assim inúmeras brechas nas quais estava aberta a possibilidade de participação política de não cidadãos habitantes das cidades, tais como escravos abrindo processos judiciais contra seus senhores, participação de escravos e metecos nas revoluções políticas das cidades, na ação de mulheres contra ou a favor decisões da assembléia, a elaboração de teorias políticas por metecos, e muitas outras “brechas institucionais” nas quais a liberdade política era realizada. Um estudo assim esvaziaria a política? Ora, em tempos de imperialismo globalizado e formas estatais autoritárias (apesar das aparências democráticas), reduzir a política à ação estatal ou às relações de poder pode significar que, no mundo contemporâneo, a liberdade política só se encontre nos livros de História Antiga.

Anúncios

7 Respostas para “Para além dos cidadãos atenienses? A Política na Grécia Antiga

  1. Pingback: Definindo a política em Atenas « Amiano Marcelino

  2. Tárik César Oliveira e Alves

    Muito bom o artigo. Existe um pequeno livro (em tamanho, pois em profundidade é excepcional) do professor Dabdab Trabulsi da UFMG sobre a participação política na Grecia. É uma coletânea de textos. Chama-se Ensaios sobre mobilização política na Grécia. O ultimo texto é sobre a participação dos escravos na política das cidades estado. É muito bom o texto e, em minha ignorância de estudante de Ciências Sociais, Aconselho a leitura a quem tiver interesse.

  3. Mim Ajudou! Muito, Muito Mesmo!!

  4. muito bom esse texto achei oque eu queria para por nomeu trabalho

  5. Adorei o documento, fala tudo que minha professora falou e é essencial para o meu trabalho…..

  6. ótimo o texto mas como eu sou um pouco nova tinha um as palavras muito complexas e isso fez com q eu n entendesse muito bem o texto mas mesmo sim me ajudou!!valeu!!

  7. adorreeeeeeiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii muitooooooooooooooooooooooo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s